Acompanhe os destaques do 4º dia do Fórum Mundial da Água

A oitava edição do Fórum Mundial da Água chegou ao quarto dia com mais de 70 mil visitantes. Em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional de Brasília, o diretor executivo do evento, Ricardo Andrade, agradeceu a população de Brasília pela participação e compartilhamento de suas experiências sobre recursos hídricos no Fórum.

Creative Commons – CC BY 3.0 – Diretor do FMA faz balanço do evento no Dia Mundial da Água

Esta é a oitava edição do Fórum Mundial da Água, realizado a cada três anos em um país diferente. A primeira ocorreu em 1997, em Marrakesh, no Marrocos, e a última em 2015, em Daegu, na Coreia do Sul. Ao todo, representantes de 175 países participam do encontro. A 8ª edição do fórum inclui mais de 300 mesas de debate, restrita aos inscritos, além de programação paralela aberta ao público. O evento, que é o maior do mundo para debates relativos à água, segue até sexta-feira (23) no Brasil. O encontro deste ano traz o tema “Compartilhando Água”. 

Relatório Mundial da Água

No dia em que se celebra o Dia Mundial da Água, a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou o Relatório Mundial da Água, que apresenta dados sobre a quantidade e a qualidade de água no planeta. O relatório ainda mapeia os locais em que houve o aumento desse consumo e onde há risco de escassez. Saiba detalhes na reportagem do Repórter Brasil:

Relatório da Meteorologia

O ano passado foi o mais dispendioso por causa de eventos climáticos extremos, segundo um relatório da Organização Mundial de Meteorologia (OMM), divulgado hoje (22), na véspera do 23 de março, Dia Mundial da Meteorologia. O relatório aponta o impacto que estes eventos tiveram no desenvolvimento econômico, segurança alimentar, saúde e migração internacional. O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, disse que “2018 começou da mesma forma que 2017 terminou – com um clima extremo a roubar vidas e destruir formas de subsistência”.

Defesa de indígenas

Para os povos indígenas a água é um elemento sagrado e que precisa ser protegido esse foi o tom da sessão realizada nesta quarta-feira, no Fórum Mundial da Água, sobre Culturas de água dos povos indígenas da América Latina. O destaque foi a importância das comunidades tradicionais na proteção dos recursos hídricos. Ouça a reportagem na Radioagência Nacional.  Não havia lideranças indígenas brasileiras presentes ao debate, mas a representante do Canadá, Sunny Lebourdais, deu exemplos de como a luta das lideranças impediu ações de uma mineradora na província Colúmbia Britânica.

 

Protesto

Cerca de 100 integrantes de organizações não governamentais (ONGs) ligadas a causas ambientais fizeram um ato, nesta quinta-feira, em frente ao Congresso Nacional, para alertar sobre o uso da água e a necessidade de saneamento no país. O grupo ergueu no gramado central um vaso sanitário inflável de 12 metros de altura e estendeu uma bandeira, de 750 metros quadrados, com os símbolos da SOS Mata Atlântica, entidade responsável pela iniciativa. Leia mais na Agência Brasil.

Creative Commons – CC BY 3.0 – Manifestantes inflam vaso sanitário gigante para cobrar saneamento no país. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Viva a floresta!

(…)” Eu sou a grande floresta eu vim me apresentar”

Como é bom ouvir Erivane Laranjeira cantar a Floresta do Tapajós. Até porque como diz a ecopedagoga Vera Lessa Catalão, que é doutora em Água e Educação na  Universidade de Brasília (UnB): água é floresta, floresta é água!

O programa Viva Maria também celebrou o Dia Mundial da Água nesta quinta-feira com uma homenagem à floresta.

Espiritualidade

Também nesta quinta, um ritual de consagração da água marcou a abertura da sessão especial Água e Espiritualidade, no 8° Fórum Mundial da Água, em Brasília. Em um auditório lotado, onze líderes espirituais discutiram a relação da humanidade com a água por meio dos conhecimentos ancestrais, tradicionais e sagrados.